domingo, 5 de abril de 2009

Principais Obras de Guilherme de Almeida


Poesia

  • Nós (1917)
  • A Dança das Horas (1919)
  • Messidor (1919)
  • Livro de Horas de Sóror Dolorosa (1920)
  • Era uma vez... (1922)
  • O Festim (1922)
  • A Frauta que Eu Perdi (Canções Gregas) (1924)
  • A Flor que foi um homem (Narciso) (1925)
  • Meu (1925)
  • Raça (1925)
  • Encantamento (1925)
  • Simplicidade (1929)
  • Você (1931)
  • Carta a Minha Noiva (1931)
  • Poemas Escolhidos (1931)
  • Castas que eu não mandei (1932)
  • Acaso – Versos de Todo Tempo (1938)
  • Cartas do Meu Amor (1941)
  • Tempo (1944)
  • Poesia Vária (1947)
  • O Anjo de Sal (1951)
  • Toda a Poesia (1952)
  • Acalanto de Bartira (1954)
  • Camoniana ( 1956)
  • Pequeno Romanceiro (1957)
  • Rua (1961)
  • Rosamor (1965)
  • Meus Versos Mais Queridos (1967)
  • Os Sonetos de Guilherme de Almeida (1968)


PROSAS:

  • Théatre Brésilien (1916)
  • Natalika (1924)
  • Do Sentimento Nacionalista na Poesia Brasileira (1926)
  • Ritmo, Elemento de Expressão (1926)
  • Gente de Cinema (1929)
  • O Meu Portugal (1933)
  • A Casa (1935)
  • O Sonho de Marina (1941)
  • Gonçalves Dias e o Romantismo (1945)
  • Histórias, Talvez... (1948)
  • Baile de Formatura (1953)
  • Cosmópolis – São Paulo/29 (1962)


TRADUÇÕES:

  • Eu e Você (1932) – (Toi et Moi) de Paul Géraldy. São Paulo. Companhia Editora Nacional. Poesia;
  • O “Gitanjali” (1932) – de Rabindranath Tagora. Rio de Janeiro. Ed. José Olympio. Prosa Poética;
  • Poetas de França (1936) – São Paulo. Companhia Editora Nacional. Com poemas de 24 autores, em edição bilíngüe;
  • “Suíte” Brasileira (1936) – Terceira Parte de “Quatre Continents”, de Luc Durtain. Poesia;
  • O Jardineiro (1939) – De Rabindranath Tagore. Prosa Poética;
  • João Pestana (1941) – De Hans Christian Andersen. Prosa;
  • João Felpudo (1942) – De Wilhelm Busch. Prosa;
  • O Amor de Bilitis – Algumas Canções (1943) – De Pierre Louys. Rio de Janeiro. Ed. José Olympio. Prosa;
  • O Camondongo e Outras Histórias, Corococó e Caracacá, O Fantasma Lambão (1943) – De Wilhelm Busch. Prosa;
  • Pinocchio (1943) – De Collodi. Prosa. Versão Livre;
  • Flores das “Flores do Mal” (1944) – De Baudelaire. Rio de Janeiro. Ed. José Olympio. Com 21 poemas de Baudelaire, em edição bilíngüe, com carvões de Quirino;
  • Paralelamente a Paul Verlaine (1945) – São Paulo. Martins. Poesia com “Minha Carta a Paul Verlaine no Centenário do seu Nascimento”;
  • A Mosca (1946) – De Wilhelm Busch. Prosa;
  • Uma Oração de Criança (1946) – De Rachel Fields. Prosa;
  • As Palavras de Buda (1948) – Prosa;
  • Entre Quatro Paredes (1950) – (Huis Clos), de Jean-Paul Sartre. Peça levada dois anos antes no Teatro Brasileiro de Comédia, do qual o poeta foi um dos diretores;
  • A Cartola (1951) – De Wilhelm Busch. Prosa;
  • A Antígone de Sófocles (1952) – São Paulo. Alarico. Drama em versos, traduzido diretamente do grego, apresentado posteriormente por Adolfo Celi no Teatro Brasileiro de Comédia;
  • Na Festa de São Lourenço (1956) – De José de Anchieta. Auto em versos – tradução das partes em tupi e castelhano;
  • Jornal de um Amante (1961) – (Journal d’un Amant), de Simon Tygel. Rio de Janeiro. Ed. Civilização Brasileira. Prosa;
  • Festival (1965) – De Simon Tygel. Poesia em edição bilíngüe;
  • Arcanum (1965) – De Niles Bond. Poesia em edição bilíngüe. Capa e desenhos de Guilherme de Faria;
  • História de uma Escada (1964) – De Antonio Buero Vallejo. Peça Teatral.


OUTROS TRABALHOS:

  • As Armas (1926) – Filme de Cassiano Gabus Mendes. Colaborador;
  • O Estudante Poeta (1940) – Peça teatral, em colaboração com Jayme Barcelos, lida no Teatro Boa Vista;
  • A Marquesa de Santos (1941) – Colaborou na versão portuguesa desse filme;
  • Iara (1946) – Fez o argumento do bailado “Iara”, apresentado no Teatro Municipal de São Paulo, com música de Francisco Mignone e cenários de Portinari;
  • Filmes (1951) – Trabalhou nos diálogos dos filmes “Terra sempre Terra” e “Apassionata”.

6 comentários:

Marta disse...

estou procurando em sebos já há alguma tempo o livro "oração para uma criança" de rachel Field com tradução de Guilherme de Almeida. Minha mãe que faz 70 anos só pensa em encontrá-lo pois ganhou do pai na infância, e seu maior sonho é re~lê-lo! Alguém sabe onde posso comprar??? Meu email: martabmart@uol.com.br

Anônimo disse...

pode me ajudar?preciso saber urgente de que ano é o poema "essa que hei de amar" do guilherme de almeida...é urgente me ajudem..meu e-mail é alinejbj@hotmail.com

Isabel disse...

Algumas correções:

O nome é Guilherme de Almeida. Sem Andrade.

O livro João Felpudo é de autoria de Heinrich Hoffmann. É poesia.

Oa livros O Camundongo, Corocó e Caracacá, O Fantasma Lambão e outras histórias, A mosca e outras historietas, A Cartola; também são poesia.

Alexandra disse...

Olá!
Sou educadora da Casa Guilherme de Almeida, em São Paulo, que é um museu do Estado criado na casa onde viveu Guilherme, de 1946 a 1969, ano de sua morte.
A Casa está passando por adequações e reabrirá ao público no final de novembro de 2010. Será um prazer recebê-los lá.
Abraços,

Estou no facebook: Ale Rocha http://www.facebook.com/connect/uiserver.php?app_id=288988062287&next=http%3A%2F%2Fquotes.mysocialsoftware.com%2F%3Fref%3Dnf%26app%3D288988062287&display=page&locale=pt_BR&perms&return_session=0&fbconnect=0&canvas=1&legacy_return=1&method=permissions.request#!/alecomx

Nayara Dias disse...

Olá Alexandra,
é um prazer imenso receber uma educadora da Casa Guilherme de Almeida aqui no blog!
Gostaria de pedir que se possível continue entrando em contato e nos atualizando sobre dados e obras desse ilustre autor...
Qualquer informação, entre em contato pelo email gdablogspot@gmail.com.
Agradeço desde já!

Karen Kipnis disse...

Olá! Escrevo para comunicar que o museu Casa Guilherme de Almeida ( Pacaembu, SP) foi reaberto em 11 de dezembro de 2010 e que estamos abertos para visitas de terça a domingo, das 10h às 18h. Acompanhem nossa programação de cursos e outros eventos, como "Cinematógrafos", por exemplo. Em julho: "Semana Guilherme de Almeida". www.casaguilhermedealmeida.org.br (neste site estão catalogados todos os livros do acervo bibliográfico da CGA)
Abraço, Karen Kipnis
(educativo.cga@poiesis.org.br)